Recuperar a identidade

Maria João Vieira Pinto

Directora de Redacção Marketeer

No dia em que escrevo este Editorial, o banqueiro Fernando Ulrich anuncia a saída da presidência do BPI, cargo que ocupava desde 2004. Entra Pablo Forero. E o banco passa a falar espanhol. Não é o único! Contam-se pelos dedos das mãos as empresas e instituições que resistem e mantêm a maioria do capital português.

Uma radiografia, realizada sem grande pormenor, faz saltar os casos. E, não, já não somos só Angola, como o BCP ou a Efacec, ou Espanha, como a Media Capital.

Em vez do Estado português, na EDP passou a estar a chinesa China Tree Gorges. Assim como há capital chinês na TAP (HNA), na Fidelidade (da Fosun), na Luz Saúde (idem), ou na comunicação social (entraram na Global Notícias, através da KNJ Investment Limited). A REN passou a ter a chinesa State Grid e há investimentos no turismo e no imobiliário. O próprio Novo Banco tem interessados chineses… e americanos!

Sim, também há capital americano a estender-se por empresas portuguesas. A TAP junta o dólar ao sotaque brasileiro, enquanto a gestão da Tranquilidade passou a responder aos EUA.

É um facto que em vários casos os centros de decisão se mantêm por cá, como é o da EDP, conduzida estrategicamente por António Mexia. Mas para quem cresceu num País que se desenvolveu empresarialmente e investiu na indústria, é uma dor olhar de perto e perceber que, afinal, estas já não são marcas nossas.

Resta-nos perceber que o que sobra não é pouco, mas é bom. Como os grupos de Belmiro de Azevedo, de Soares dos Santos, do comendador Nabeiro, de Paulo Fernandes ou de Queiroz Pereira. É uma mão de coisa pouca, é verdade. Mas não o é de coisa nenhuma. As nossas grandes marcas já não são muitas. E, quanto às outras, preferimos anos a fio trocá-las, também, pelo que nos foi chegando de fora. Ainda estamos a tempo de preservar e recuperar alguma da nossa identidade. Que se comece a fazer já por aqui e não se perca na modernidade dos dias.

Editorial publicado na edição de Fevereiro de 2017 da revista Marketeer

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

*