Azeite: um mercado em expansão

azeitesNum contexto de preocupação crescente com as dietas alimentares, o azeite tem vindo a reforçar a sua quota. Portugal, o quarto maior produtor mundial, tem assistido a várias inovações, quer ao nível intrínseco, com a modernização da pro­dução, quer ao nível dos formatos e packagings em comercialização. Internacionalização e premiumização definem um mercado em “revolução”.

A Julgar pelas inovações – expressivas sobre­tudo ao nível do packaging e dos formatos de utilização – que o mercado dos azeites português conheceu, em especial no últi­mo ano e meio, este é um sector em franca expansão. Relembre-se o lançamento de Gallo “Co­lheita ao Luar” pela Gallo Worldwide (participada da Unilever e Jerónimo Martins), o rebranding da gama Esporão ou os recentes investimentos da So­vena – a valer nove milhões de euros -, num olival com seis milhões de oli­veiras e num novo lagar, para além do relançamento de Andorinha, um azeite com mais de 80 anos de histó­ria. Já antes, no final de 2008, Oliveira da Serra apresentava a garrafa Pop-up. E, ainda em 2006, antecipando tendências de evolução neste mercado, um grupo de empresários comprava a Cooperativa dos Olivicultores do Redondo, para lançar uma nova marca de azeite, Azal, de posi­cionamento premium.

A produção nacional anual de azeite em Portugal rondará, actualmente, as 60 mil toneladas, número que re­presenta um crescimento na ordem dos 50% em relação ao valor médio de produção dos últimos cinco anos, à volta de 40 mil toneladas, de acordo com dados da Casa do Azeite (associação privada que congre­ga 65 empresas neste sector, representando cerca de 95% do azeite de marca embalado em Portugal).

PARA LER O ARTIGO NA ÍNTEGRA CONSULTAR EDIÇÃO IMPRESSA Nº170

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...